Excesso de café: uma bebida amarga para a saúde do cérebro

Os pesquisadores descobriram que o alto consumo de café está associado a volumes cerebrais totais menores e a um maior risco de demência

Foto: Reprodução/Pexels

Geralmente é o primeiro pedido do dia, mas embora um café possa nos animar, uma nova pesquisa da University of South Austrália mostra que o excesso pode nos arrastar para baixo, especialmente no que diz respeito à saúde do cérebro.

No maior estudo desse tipo, os pesquisadores descobriram que o alto consumo de café está associado a volumes cerebrais totais menores e a um maior risco de demência.

Realizado no Centro Australiano de Saúde de Precisão da UniSA no SAHMRI e uma equipe de pesquisadores internacionais, o estudo avaliou os efeitos do café no cérebro entre 17.702 participantes do UK Biobank (com idades entre 37-73), descobrindo que aqueles que beberam mais de seis xícaras de café por dia tinha um risco 53% maior de demência.

A pesquisadora líder e candidata a PhD da UniSA, Kitty Pham, diz que a pesquisa oferece informações importantes para a saúde pública. “O café está entre as bebidas mais populares do mundo. No entanto, com o consumo global sendo superior a nove bilhões de quilos por ano, é fundamental que entendamos quaisquer implicações potenciais para a saúde”, diz Pham.

Esta é a pesquisa mais extensa sobre as conexões entre café, medições de volume cerebral, os riscos de demência e os riscos de derrame – é também o maior estudo a considerar dados de imagens volumétricas do cérebro e uma ampla gama de fatores de confusão.

Levando em conta todas as permutações possíveis, descobrimos consistentemente que o consumo maior de café estava significativamente associado ao volume cerebral reduzido – essencialmente, beber mais de seis xícaras de café por dia pode estar colocando você em risco de doenças cerebrais, como demência e derrame.”

A demência é uma doença cerebral degenerativa que afeta a memória, o pensamento, o comportamento e a capacidade de realizar tarefas diárias. Cerca de 50 milhões de pessoas são diagnosticadas com a síndrome em todo o mundo. Na Austrália, a demência é a segunda principal causa de morte, com cerca de 250 pessoas diagnosticadas a cada dia.

O derrame é uma condição em que o suprimento de sangue ao cérebro é interrompido, resultando em falta de oxigênio, danos cerebrais e perda de função. Globalmente, um em cada quatro adultos com mais de 25 anos terá um derrame durante a vida. Os dados sugerem que 13,7 milhões de pessoas terão um AVC este ano, com 5,5 milhões morrendo como resultado.

Pesquisadora sênior e diretora do Centro Australiano de Saúde de Precisão da UniSA, Professora Elina Hyppönen, diz que embora a notícia possa ser amarga para os amantes do café, trata-se de encontrar um equilíbrio entre o que você bebe e o que é bom para sua saúde.

“Esta pesquisa fornece insights vitais sobre o consumo intenso de café e a saúde do cérebro, mas, como acontece com muitas coisas na vida, a moderação é a chave”, diz a professora Elina Hyppönen.

Junto com outras evidências genéticas e um ensaio clínico randomizado, esses dados sugerem fortemente que o alto consumo de café pode afetar adversamente a saúde do cérebro. Embora os mecanismos exatos não sejam conhecidos, uma coisa simples que podemos fazer é nos manter hidratados e lembrar de beber um pouco de água ao lado daquela xícara de café.

O consumo diário típico de café é algo entre uma e duas xícaras de café padrão. Claro, embora as medidas da unidade possam variar, um par de xícaras de café por dia geralmente é bom. No entanto, se você está descobrindo que seu consumo de café está subindo para mais de seis xícaras por dia, é hora de repensar sua próxima bebida.

Por IstoÉ Dinheiro

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui