Com o governador na mira do STJ, aliados abandonam Wilson Lima

  • Uma das maiores defensoras da eleição de Wilson Lima (PSC) na campanha de 2018, a ex-secretária de Justiça e Cidadania (Sejusc), Caroline Braz, é a primeira integrante do primeiro escalão do governo a abandonar o partido do governador diante da ameaça de Lima ser afastado do cargo, no próximo dia 30, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).
  • Denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), Wilson responde a processos por desvio de recursos federais para ações de combate a Covid-19, e já foi alvo de três operações da Polícia Federal, a última no dia 2 de junho.
  • Há expectativa é de que o governador seja julgado no dia 30 e há grandes possibilidades de ser afastado do cargo.

De malas prontas

    • Preterida no governo de Lima por conta da sua proximidade com o vice-governador Carlos Almeida, Carol Braz vinha se segurando na administração estadual a trancos e barrancos.
    • Nesta semana ela anunciou que está de “malas prontas” para desembarcar do PSC. O movimento de Carol, na verdade, é político, sabe que no atual governo não tem chances de realizar o sonho de se eleger deputada estadual.

Atrás de legendas, olhando para 2022

    • Desde quarta-feira passada Carol Braz iniciou contatos com outras legendas partidárias para estruturar a sua campanha com os olhos voltados para 2022.
    • Nos bastidores do governo a informação é de que Wilson Lima preferiu não receber a ex-assessora pessoalmente, mas teria desejado sorte a Carol por meio de pessoas próximas. A partir de agora, quem mais vai abandonar o barco do governador?

… Então, tá explicado!

    • A Secom do Governo Federal encaminhou documentos à CPI da Pandemia que comprovam o pagamento de R$ 120 mil ao apresentador Sikêra Jr., da rede TV/Acrítica, em cachê.
    • Isso explica o aconchego do jornalista com o presidente Jair Bolsonaro e a defesa que Sikêra faz, quase todos os dias, do governo na televisão.

CPI expõe podridão

    • Em seu programa diário na Rede TV, do Grupo Calderaro, Sikêra tem sido um dos mais radicais defensores da bandeira armamentista do governo Bolsonaro.
    • A CPI desnudou vários repasses governamentais a empresa José Siqueira Barros Junior Produções, pertencente ao apresentador, dentre os quais o referente a campanha publicitária ‘Cuidado Precoce para a Covid-19’. Sikêra abocanhou R$ 24 mil.

Grana aos montes

    • A divulgação da ‘Semana Brasil 2020’ rendeu R$ 16 mil a Sikêra.
    • A gorda fatura do apresentador também envolveu o “Lançamento cédula de R$ 200” (R$ 24 mil), “Combate ao mosquito Aedes” (R$ 8.000), “Conscientização das famílias sobre os riscos de exposição de crianças na internet” (R$ 20 mil), “Semana Nacional do Trânsito” (R$ 20 mil) e “Uso Consciente de Energia e Água” (R$ 8.000).

Marcellus continua no Conass

    • Preso pela Polícia Federal na Operação Sangria, no último dia 2, e depois demitido do cargo, o ex-secretário de Saúde Marcellus Campêlo ainda figura no site do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) como membro titular do Conselho Fiscal do colegiado.
    • Lá, Silvio Benjamin Romano tem nome como secretário interino da pasta no Amazonas.

Quem banca viagens de Menezes ao interior?

    • Uma pergunta que não quer calar: Quem está bancando as viagens do ex-superintendente da Suframa Alfredo Menezes à Parintins, Nhamundá e Barreirinha, iniciadas nesta quinta (17)?
    • O coronel, como é chamado, já iniciou sua campanha eleitoral para 2022, mas esconde quem o financia. Com a palavra a Justiça Eleitoral.

MP cheia de “jabutis”

    • Para o deputado estadual Serafim Corrêa (PSB), a Medida Provisória que viabiliza a privatização da Eletrobras beneficia grupos econômicos ou corporações do setor elétrico, salgando o custo da energia para os consumidores.
    • O Governo Federal espera arrecadar cerca de R$ 60 bilhões com a privatização da empresa.
    • A MP, conforme Serafim, está cheia de “jabutis”, os quais, de acordo com senadores, inviabilizam o avanço da medida.

Empresas de ônibus na goela da Prefeitura

    • As empresas de transporte coletivo estão cobrando judicialmente a Prefeitura de Manaus por dívidas que chegam a R$ 101 milhões.
    • As dívidas se referem a déficit em favor das empresas quando da intervenção financeira datada de 2019 durante a gestão de Arthur Virgílio Neto (PSDB).

Sinetram exige milhões, David diz que não paga

    • De um lado, o Sinetram (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amazonas) exige que o prefeito David Almeida honre o cronograma de pagamento determinado por Arthur.
    • Na outra ponta, David se recusa a pagar, assegurando que as empresas, na realidade, devem R$ 101 milhões à Prefeitura.

Omar Aziz é o novo show-man da Internet

    • De repente, a CPI da Pandemia fez o mundo ficar cor-de-rosa para o senador Omar Aziz (PSD).
    • Levantamento do jornal Folha de São Paulo aponta o senador como um dos nomes da CPI mais badalados nas plataformas do Google.
    • Antes da CPI Omar fugia das redes sociais por conta dos mísseis disparados contra ele por internautas que o associavam à Operação “Maus Caminhos”.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui